Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Battisti é um criminoso comum?

Por Altamiro Borges, em seu blog

Silvio Berlusconi, o primeiro-ministro neofascista da Itália que já deveria estar na cadeia por seus crimes de corrupção, continua seu ataque histérico contra o governo brasileiro devido à concessão de asilo ao ativista Cesare Battisti. Para ele, o ex-militante da luta armada é um “criminoso comum” e deveria ser extraditado. Já para boa parte da mídia colonizada, Berlusconi está certo e o presidente Lula pisou na bola. Mesmo setores do campo progressista acham que a decisão soberana do Brasil foi equivocada.

Como se observa, o assunto é polêmico e gera muitas paixões. Mas ele não permite visões simplistas. Não dá para esbravejar que Battisti é um criminoso comum sem discutir o contexto político da Itália nos 1970. E nem dá para garantir que ele seria tratado com justiça caso fosse extraditado. Ou seja, não dá para cair nas bravatas de Berlusconi, que nunca se empenhou pela extradição de notórios terrorista de direita e que agora faz escarcéu com Battisti – até para se safar da brutal crise do seu corrupto governo.

Continue lendo


Bode expiatório de um período sombrio

Maria Inês Nassif, num excelente artigo para o jornal Valor, já ensinou que o bufão Berlusconi e o sistema jurídico italiano não devem ser levados muito a sério. Conforme lembrou, Battisti foi condenado à prisão perpetua sem qualquer direito de defesa. As testemunhas que o acusaram de quatro assassinatos ganharam delação premiada e há indícios de que uma foi torturada. Dois dos citados homicídios teriam ocorrido em 16 de fevereiro de 1979, a 500 km de distancia um do outro – uma aberração jurídica.

“[Battisti] nunca esteve num tribunal para defender-se das acusações e, de volta à Itália, não será ouvido por nenhum juiz”, alerta a colunista. Para ela, “diante de tantas contradições e de tantos fatos mal explicados, fica a dúvida de por que interessa tanto ao governo italiano coroar Battisti como o bode expiatório de um período negro na Itália, onde não apenas a luta armada enevoou o país, mas as instituições se ajustaram a uma guerra contra o terror usando métodos poucos afeitos à ordem democrática”.

As operações terroristas da CIA

Para quem não conhece a história daquele sombrio período vale a pena ler o livro “Legado de cinzas, uma história da CIA”, do jornalista estadunidense Tim Weiner, vencedor do prêmio Pulitzer. Ele mostra que a década de 1970 foi uma das tumultuadas da história recente da Itália. Com base em vários documentos oficiais, o autor comprova que o serviço de espionagem e terrorismo dos EUA teve participação ativa no processo político italiano, financiando partidos da direita e realizando ações de sabotagem.

“A CIA gastou pelo menos US$ 65 milhões comprando influência em Roma, Milão e Nápoles”. Thomas Fina, cônsul-geral dos EUA em Milão durante o governo Nixon, confessou que a CIA subsidiou o partido democrata-cristão e deu milhões de dólares para bancar “a publicação de livros, o conteúdo de programas de rádio, subsidiando jornais e jornalistas”. Ele se jactava que “tinha recursos financeiros, recursos políticos, amigos e habilidade para chantagear” – inclusive na imprensa italiana.

Neofascista italiana não tem moral

Tim Weiner revela que a ingerência ianque se intensificou a partir de 1970. “Com aprovação formal da Casa Branca, houve a distribuição de US$ 25 bilhões a democratas cristãos e neofascistas italianos. O dinheiro foi dividido na ‘sala dos fundos’ – o posto da CIA no interior da suntuosa embaixada americana”. Giulio Andreotti “venceu a eleição com injeção de dinheiro da CIA. O financiamento secreto da extrema direita fomentou o fracassado golpe neofascista em 1970. O dinheiro ajudou a financiar as operações secretas da direita – incluindo bombardeios terroristas, que a inteligência italiana atribuiu à extrema esquerda”.

Se as ações armadas comandadas pelo grupo de Cesare Battisti foram um grave erro político, que inclusive serviram aos intentos golpistas da direita italiana, não dá para desconhecer que a CIA e os grupos fascistas do país também jogaram sujo. O clima era de guerra. Nesse sentido, é puro simplismo rotular Cesare Battisti de criminoso comum para justificar a sua extradição para a Itália. O neofascista Silvio Berlusconi, que reúne em seu governo notórios terroristas de direita que participaram da “guerra suja” dos anos 1970, não tem qualquer moral para condenar a decisão soberana do presidente Lula no último dia do seu mandato.

FONTE: http://altamiroborges.blogspot.com/2011/01/battisti-e-um-criminoso-comum.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário